sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Post anual

Eu lembro do blog anualmente, isso é fato. Demora muuuito tempo pra que eu escreva algo e publique aqui. Quando o objetivo do blog era ter muitos acessos, a postagem já estava devagar. Agora então, quase nula. Muito provável também que não existam mais visitantes . . . Se dependessem de meus textos, já estariam mortos . .rs

Enfim . . 2010 passou, começa 2011, e as expectativas se renovam, pra mais um ciclo de tempo.

Que Deus nos abençoe, me abençoe e nos dê um ano bacana. Livre dos erros do passado e repleto de situações novas, positivas, de preferência.

Efusivo abraço.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Cabou 2009 . . .

Olá pessoas


Quando chega o fim do ano, correm as mensagens de "boas festas", "feliz ano novo", etc . .

Seguindo essa linha, quero escrever algo menos formal e mais prático . . .


Agradecer a todos os que estiveram comigo durante esse ano; amigos que passaram bons e maus momentos lado a lado . . . Me deram conselhos, broncas, elogios . . . Me ensinaram lições importantes simplesmente com suas vidas . . Comemoraram minhas conquistas e nas horas de
"zebra", colocaram a mão na cabeça e soltaram um sonoro "pooooootz! sério!?" . . . rsrs . . . Companheiros de projetos, alguns que deram super certo, outros nem tanto: acima de tudo, o importante foi conviver com vocês . . .

Aos novos amigos, aos poucos amigos das antigas que até hoje me suportam, aos que amam e me querem bem: amo muito vcs . . . Obrigado por terem feito meu 2009 feliz . . Vocês cumpriram a promessa de "feliz 2009", quando 2008 estava acabando . . .

Aos que não tivemos tempo de alimentar nossa amizade em 2009, q tal já agendarmos em 2010 um tempinho? ;)

Aos que passaram ao meu lado e ignoraram, tenham certeza q tb os ignorei por ser tímido . . Mas da próxima devo dar um alô, ou passar o pé . .heheheh

Àqueles que magooei, fui bronco, grosso e sem noção nas palavras, peço perdão . . . Se são amigos, tenham certeza que a idéia nunca foi ofender . . . Se não são amigos, ou até inimigos, me perdoem também . . . Confesso que os inimigos eu tentei ofender, sim . . . Mas tá errado . . É necessário amá-los e trazê-los pro meu lado, pombas! Em 2010 vou tentar, blz? :))

Durante 2009, em muitos momentos esqueci de ser 100% . . . Vou tentar em 2010.

Em 2009 me estressei e quase tive um piripaque . . . Vou tentar melhorar isso em 2010.

2009 foi o ano que passou rápido, mas teve momentos marcantes . . . Em 2010 quero repetir isso.


Estamos em constante mudança em alguns pequenos detalhes . . Eu tô nesse esquema desde que nasci . . . Já odiei comida japonesa e hoje é uma das minhas preferidas . . .

Que em 2010 meus pontos negativos sejam deixados pra trás e eu consiga amar mais, viver mais intensamente os bons momentos e passar batido sobre os maus . . .


Que você também tenha um ano novo supimpa . . . Se suas festas de fim de ano não forem tão boas, se seu 2009 foi um lixo, esquenta não . . . Corre atrás, camarada . . Rala que rola . . ;))


Que a minha e sua confiança estejam depositadas no Deus de nossa Salvação . . . . Com certeza, Ele é capaz de realizar muito mais do que pedimos, pensamos e merecemos . . .



Forte abraço!!



Samuel Moreno

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Sabor de Mel?!?!?

Olá Pessoas!!

Depois da morte do TeoLogicos.com, voltamos pra cá, ao Teo-Logicos.blogspot.com

Pra re-inaugurar, um texto que a Leila escreveu sobre a seguinte música que tem bombado nas igrejas pentecas desse Brasilzão:

http://www.youtube.com/watch?v=aP1YO6o_FjM

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Sabor de Mel?!?!?!?!
Por Leila Mesquita

Com certeza, a maioria de nós já ouviu (infelizmente) a canção “Sabor de Mel”, da cantora Damares.

A questão é: quantos de nós prestamos atenção naquilo que ouvimos e, principalmente, naquilo que entoamos a Deus como louvor?

Vamos fazer uma reflexão em alguns trechos desta música e tentar identificar onde Cristo está nesta letra, afinal, diz-se tratar de uma música CRISTÃ.

A música começa afirmando o seguinte:

“O agir de Deus é lindo... na vida de quem é fiel. No começo tem provas amargas, mas no fim tem o sabor de mel”

Segundo a tradição da Igreja, todos os discípulos de Jesus (com exceção de Judas Iscariotes, que suicidou-se e João, que morreu naturalmente) foram perseguidos, presos, torturados e, por fim, MORTOS brutalmente por causa do nome de Cristo. As mortes incluíram: decapitação, crucificação, enforcamento, apedrejamento, lança, entre outras.

Nos dias do imperador romano Nero, a perseguição era tal aos cristãos, que eles eram lançados vivos nas arenas para serem devorados por leões e outras feras, enquanto o público assistia aos aplausos. Outros eram decapitados, queimados vivos ou torturados até a morte!

Isso sim é o que eu chamo de “provas amargas”!!!

Será que somos mais fiéis do que todos os cristãos mortos durante a perseguição ao Evangelho? Será que somos mais fiéis do que foram os apóstolos Pedro, Tiago, Paulo, André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, etc.?

A menos que, com a frase: “no fim tem o sabor de mel”, a música esteja se referindo ao céu e à glória eterna, (o que não parece ser), pode-se concluir que a idéia de um final sempre doce está completamente equivocada.

É claro que muitos finais, ainda em vida, têm sim “sabor de mel”, mas nem todos (a vida dos apóstolos nos mostra isso). Uma mãe que vê seu filho morrer nas drogas ou aquele que definha até a morte por causa de um câncer, não experimenta um final com sabor de mel (em vida).

E, o que jamais podemos esquecer é que o agir de Deus NÃO está condicionado à nossa fidelidade! Se assim fosse, nenhum de nós receberia dádiva alguma de Deus. Lembre-se que a graça comum de Deus está sobre os justos e injustos. Tudo o que Deus faz é por causa da Sua infinita GRAÇA e MISERICÒRDIA, das quais nenhum de nós é merecedor! Temos sim, que ser fiéis a Deus, mas independentemente de qual seja o nosso fim... se doce ou amargo.


“Eu nunca vi um escolhido sem resposta... porque em tudo Deus lhe mostra uma solução. Até nas cinzas ele clama e Deus atende... lhe protege, lhe defende com as suas fortes mãos”

“E disse o Senhor a Satanás: observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal”. (Jó. 1.8).

Conhecemos a história de Jó. Ele realmente passou por provas amargas, mesmo sendo fiel (palavras do próprio Deus).

Em alguns momentos, Jó questionou a Deus, querendo entender os motivos pelos quais estava passando por tudo aquilo. A partir do capítulo 38 do livro de Jó, Deus lhe dá uma resposta. Mas a resposta não é exatamente o que Jó imaginava que seria. Parafraseando, Deus diz a Jó: “quem é você para questionar o que faço?”.

Sabemos que, no final, Deus restituiu a Jó em dobro tudo quanto ele havia tido. No entanto, Jó JAMAIS obteve a resposta que desejava. Ele jamais soube por que razões passara por tudo aquilo. Jó aprendeu a aceitar a soberania de Deus e também o fato de que nem sempre Deus responde às nossas perguntas.

Outro exemplo bastante pertinente é o do apóstolo Paulo. Em 2 Coríntios 12, vemos que Paulo tinha um “espinho na carne”. Apesar de não se saber ao certo do que se tratava este espinho, logicamente concluímos que era algo que trazia sofrimento a Paulo. Paulo se dirige em oração ao Senhor por TRÊS vezes, pedindo que aquele espinho lhe fosse tirado. Qual foi a resposta de Deus? Parafraseando novamente, a resposta de Deus foi: “não tirarei o espinho, a minha graça te basta!”.

Será que nem Jó, nem Paulo, eram escolhidos? Pois ambos não obtiveram as respostas, nem as soluções que desejavam, não foram atendidos, nem protegidos (segundo a ótica humana). A afirmação que este trecho da música faz, ignora completamente a soberania de Deus e também o fato de que a GRAÇA de Deus nos basta, em tudo e em todo tempo.

Um escolhido que ainda não obteve uma resposta deve se desesperar ao ouvir esta música!


“Deus vai te levantar das cinzas e do pó... Deus vai cumprir tudo que tem te prometido. Você vai ver a mão de Deus te exaltar... Quem te vê há de falar... Ele é mesmo escolhido”

Poxa, com tantos “vai”, Deus deve estar se sentindo coagido a agir... “Deus vai, Deus vai, Deus vai”. Eeeeei, talvez Deus não faça! Deus fará somente aquilo que for a vontade dEle.

Aliás, cuidado com as promessas. O que mais existe hoje são pessoas prometendo em nome de Deus.


“Vão dizer que você nasceu pra vencer... que já sabiam porque você tinha mesmo cara de vencedor”

“Tinha mesmo cara de vencedor”... alguém sabe que cara é essa?

A minha Bíblia diz, em Romanos 8.37: “somos mais que vencedores, POR AQUELE QUE NOS AMOU”... somos vencedores (e, aqui sim, com uma conotação escatológica – glória futura), por causa de Cristo, não porque nascemos com cara de vencedor.


“Quem te viu passar na prova e não te ajudou... Quando ver você na benção vão se arrepender. Vai estar entre a platéia e você no palco. Vai olhar e ver Jesus brilhando em você”

Esta é a minha parte preferida!

Ignorando os erros de concordância verbal e nominal que matam, além do Evangelho, o português, as contradições neste trecho são tantas que seria possível escrever um livro para refutar tais idéias. Mas, vamos nos ater aos princípios básicos do Evangelho.

É comum vermos na igreja os “crentes” cantando este trecho com aquela cara de “oh, doce vingança!”.

Se o que esta música diz, é verdade, podemos rasgar da nossa Bíblia as seguintes páginas:

“Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas”. Mt. 6.14,15.

“Mas eu lhes digo: não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra”. Mt. 5.39.

“Mas eu lhes digo: amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos. Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa vocês receberão? Até os publicanos fazem isso! E se saudarem apenas os seus irmãos, o que estarão fazendo de mais? Até os pagãos fazem isso! Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês”. Mt. 5.44—48.

“Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios”. Rm. 12.10.

“Tenham uma mesma atitude uns para com os outros. Não sejam orgulhosos, mas estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior”. Rm. 12.16.

“Se alguém afirmar: “eu amo a Deus”, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ele nos deu este mandamento: quem ama a Deus, ame também seu irmão”. 1 Jo. 4.20—21.

“Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. Façam todo o possível para viver em paz com todos. Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor. Ao contrário: “Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”. Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”. Rm. 12.17—21.

Acredito que não é necessário dizer mais nada! Os textos bíblicos apresentados aqui (e muitos outros que estão em nossas Bíblias) já refutam, por si só, a TERRORLOGIA desta música.

Os fãs desta música que me perdoem, mas a Palavra de Deus é a lâmpada para os nossos pés e a luz para o nosso caminho.

“Guardei no coração a Tua palavra para não pecar contra ti”. Sl. 119.11

Devemos nos lembrar que músicas não são poemas de auto-ajuda cantados, nem são histórias sobre nós ou sobre os outros. O propósito de uma música que se diz cristã é adorar a Deus, através da glorificação do nome de Cristo.

Devemos ter cuidado com o que cantamos para que, aquilo que aos nossos olhos tenha sabor de mel, não seja amargo como fel aos olhos de Deus.


Leila Mesquita

sábado, 7 de março de 2009

Amizade

Amigos existem para serem visitados. Com o tempo passando rápido, as agendas cada vez mais lotadas, nosso "umbigo" pedindo cada vez mais atenção, acabamos descuidando de amigos.

As vezes são distâncias, mudanças de cidade, projetos que tomam rumos diferentes, caminhos que não mais se cruzam diariamente.

Mas amigo que é amigo guarda uma semente. Mesmo que a tal semente hiberne ou caia num terreno aparentemente pedregoso, a dita cuja vai usando a água pra descer, procurando um caminho entre os tecos de rocha até achar um golinho de solo fértil.

Me espanta olhar pra uma casa antiga, na rua do meu trabalho, e ver que no topo do telhado tem uma moitinha de mato. Caramba, como a preula do mato nasceu lá? "Mato é uma desgrama mesmo" (sem trocadilhos com desGRAMA, MATO, etc) . . . Mas esquecemos que isso é vida. É capacidade de renovação, adaptação, sei lá. O fato é que mesmo em lugares inóspitos, a semente retoma a forma de vegetal.

Voltando pra amizade, vale lembrar que sempre uma das partes toma a iniciativa de correr atrás de volta. Ou mandando email, ligando, mandando carta, sinal de fumaça . . . Pode ser sempre uma parte definida, sempre a mesma parte; pode ser também as duas, intercalando, sei lá . . . Não tem regra, mas é o que geralmente acontece.

Claro que isso se aplica à pessoas. Eu, você, todo mundo. Mas vale pensar também no maior amigo de todos: o Mestre Jesus. Aquele que se fez servo, veio atrás de você, morreu por você, quer ser o seu maior amigo. E você não tem tempo. As vezes acha que está dando atenção, mas na real você já pediu pra ele falar com seu dedo ou suas costas. Ele sempre tá jogando a semente, sempre me espera de braços abertos. Por que eu teimo em não dar ouvidos?

Quem sabe já estamos na última hora?

terça-feira, 3 de março de 2009

Será que agora volta?

O Blog tá mais que parado, aposentado, com teia de aranha, musgo crescendo por todos os lados, mas tá valendo . . . Nunca tenho tempo de fazer o negócio girar, não consigo me concentrar numa coisa só.

Agora mesmo tô trabalhando (photoshopando uma caixa de engrenagens), vendo Twitter, blogs, Youtube . . . lendo MMC no Gmail, postando aqui no Blogspot, correndo olho no Multiply, dando uma olhada em referências de design editorial no Issuu, e ouvindo "Se eu fosse contar" de VPC (Vencedores por Cristo . . . não conhece, peão? bora ir atrás)

Esse lance de não conseguir se concentrar em algo único é complicado, tem me atrapalhado um pouco. Na verdade, eu quero fazer 10 coisas ao mesmo tempo . . . Queria tanto ter um cérebro multi-tarefa, com múltiplos núcleos de processamento, mas tá difícil. Tô deixando o Seminário no início do meu terceiro ano, com baita aperto no coração, mas preciso escolher algo a priorizar . . . No caso, o coral jovem que tento dirigir em minha igreja . . . Mas o mesmo tempo que "ganho um tempo" ao deixar algo, outras coisas já tentam prender minha atenção, e sigo o caminho da sobrecarga de novo.

Enfinz . . A idéia era mudar esse template, fazer um negócio bacana, por a máquina de lavar pra funcionar, mas o tempo é pouco . . Tenho ouvido muito o formato podcast agora, principalmente "irmaos.com", "aprendiz de teólogo" e "dotcast" e tô pensando em criar algo nessa praia.

Quem sabe logo mais apareça algo por aqui?


Vamo q vamo

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

E em 2008 . . .

Agora eu vou
Onde Ele For
Eu quero ir atrás do que Ele quer pra mim
Se antes eu me afastei
Eu agora espero
Que sua luz se mostre
Eu vou
Para onde Ele for

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Ao ver, pensas em quê?



Arte tem o poder de tocar. Leve esse "tocar" como incomodar, lembrar, trazer à tona, provocar. Te leva à reflexão de valores e referências.

Vendo a imagem acima, só posso pensar no valor dado ao preço pago por tantos, para que o Evangelho estivesse aqui hoje, debatido e tratado abertamente em seminários, igrejas, sites.

"Pastores", "bispos", "apóstolos", que enchem a boca ao falar da Bíblia, mas dão frutos podres?

Qual valor é dado pelo banho de sangue cristão que essa Terra já tomou? Em todos os cantos, quer escondido em vielas de países árabes nos dias de hoje ou às vistas de uma multidão em pleno Coliseu, no Império Romano.

É fácil apontarmos os erros dos outros (embora alguns estão gritando em nossas igrejas, na tela da TV, capa de jornais e talz). Vale pensar, e começo por mim: De que valeu o leão encher a pança com carne cristã?

sábado, 6 de outubro de 2007

E fazer o quê?

A vontade de Deus é soberana. Não importa o que se faça, o plano dEle vai prevalecer e azar o seu, mísero mortal. Tô sendo irônico? Me acho realista. E graças a Deus que é o plano dEle que passa por cima dos nossos, dos meus. Senão eu mesmo tava perdido, lascado, jogado em algum canto por aí, caminhando a passos largos pro inferno.

É interessante notar também que Ele cumpre Seus planos, mas através de pessoas. Ele usa essa porção de pó animada, capacitando, dando Sua maravilhosa Graça, completamente imerecida por nós.

É bacana também de se notar nas Escrituras a diversidade de exemplos que Deus nos deixa através das tais pessoas. Sempre fica evidenciado que o ser humano é muito fraco, tosco, incrédulo, babaca (tanto individualmente, quanto como nação). E aí quem entra na história? A Graça.

Ô coisa maravilhosa que é essa Graça. Alcança o perdido, por mais fundo que seja o poço. Transforma o fulano de água em vinho. Muitas vezes, e é até mais comum, de vinho em água (como diria meu querido professor Jarbas, do seminário Betel Brasileiro: "quem tem ouvidos para ouvir, ouça" . . hehehehe).

Voltando aos "planos de Deus", é inútil lutar contra, viu? Estava pensando nos casos de Josué e Jonas. Tempos diferentes, razões diferentes, desculpas diferentes, mas os dois não estavam lá muito confiantes em seguir as ordens de Deus.

Josué até parece que estava afins, mas se sentia beeem inferior a Moisés, "O" cara, que fez tantos prodígios e liderou o povo na Libertação e Peregrinação até a Terra Prometida.

Jonas já era mais radical. Não queria que Deus salvasse aquela "raça de víboras" que vivia em Nínive. Além, claro, do risco de chegar lá e os caras ainda o assassinarem. Caiu no mundo e pegou o navio pra outro lado.

Mas como os planos de Deus se escrevem com "P" maiúsculo, nem adiantou. Josué recebe uma palavra "na lata", conforme tá lá no livro de Josué, capítulo 1. Jonas, por sua vez, passa por uma situação completamente inusitada, algo que nem dá pra imaginar: é jogado no mar, engolido por um grande peixe e deixado na praia de Nínive. "Vai cumprir sim, mané!"

Enfim . . . Não importa como, nem quando. Os dois tiveram que submeter-se ao Divino. Josué, creio que foi mais suave, através de uma palavra encorajadora. Jonas foi à base da "pancada". Não importa quantas voltas você dê. Terá que "abaixar a bola" e viver o que está proposto.

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Lutero e a música

Trecho do livro "Conversas com Lutero - História e pensamento", de Elben M. Lenz César, Ed. Ultimato.

Créditos ao K-fé, da lista MMC.


Lutero e a música
É uma aberração cantar os mesmos cânticos em todas as celebrações

Repórter – Parece-me que o doutor toca alaúde...
Lutero – Toco alaúde há muitos anos. Aprendi sem professor, enquanto
me recuperava de uns ferimentos. É um instrumento muito antigo. Surgiu
na Mesopotâmia, lá pelo ano 2.000 a.C. Os levitas do templo de
Jerusalém tocavam alaúde. Dizem que ele chegou à Europa durante as
Cruzadas ou quando da conquista da Espanha pelos mouros. Tornou-se um
instrumento musical muito popular hoje em dia. Existem dois ou três
modelos diferentes. A caixa de ressonância tem formato de pêra. O meu
tem seis pares de cordas. Com a mão direita eu dedilho e com a mão
esquerda retenho as cordas.

Repórter – O doutor conhece música?
Lutero – Eu cresci cercado de música. Na infância cantava os hinos dos
mineiros, pois meu pai trabalhava numa mina de carvão. Era um menino
cantor na escola de Mansfeld, lá pelo ano de 1488. Continuei a cantar
no coro da igreja quando fui estudar, primeiro em Magdeburgo e depois
em Eisenach. Na Universidade de Erfurt, além de gramática, retórica,
dialética, aritmética, geometria e astronomia, estudei música. Estas
são as sete artes liberais. Quando fui para o Convento de Santo
Agostinho, em 1505, com 22 anos, aprendi o canto gregoriano. Cantava a
voz masculina mais aguda, o tenor.

Repórter – O que o doutor chama de canto gregoriano?
Lutero – É o canto litúrgico introduzido pelo papa Gregório I, aquele
homem extraordinário que se dizia servus servorum Dei (servo dos
servos de Deus) e que foi papa de 590 a 604. Herdeiro de uma grande
fortuna e ex-prefeito de Roma, decidiu-se pela vida monástica aos 35
anos e transformou suas propriedades em monastérios. Foi eleito papa a
contragosto aos 50 anos e assentou-se na cadeira de Pedro de 590 a
604, quando morreu.

Repórter – Dizem que o doutor é o "Ambrósio da Reforma".
Lutero – Nunca ouvi falar isso. Todavia, talvez seja por causa de meu
apego à música sacra. Ambrósio era bispo de Milão e nasceu 200 anos
antes de Gregório. Ele compôs vários hinos, inclusive o famoso Te
Deum, que cantamos até hoje. Foi ele quem batizou Agostinho no ano de
387.

Repórter – Também já li não sei onde que o doutor foi chamado de "O
rouxinol de Wittenberg".
Lutero – Foi Hans Sachs, de Nuremberg, que me deu esse honroso título.
Se eu sou o rouxinol de Wittenberg, ele é o rouxinol de Nuremberg,
quiçá de toda a Alemanha. Sachs, 11 anos mais novo do que eu, tem sido
chamado de "o príncipe e patriarca dos mestres-cantores". É um
profícuo autor de hinos, poemas e peças.

Repórter – O cântico é importante no culto?
Lutero – De suma importância. Desde os tempos de Moisés (Êx 15.1,2; Dt
31.19) e de Davi (1 Cr 6.31). Basta ler o salmo 100: "Prestem culto ao
Senhor com alegria; entrem na sua presença com cânticos alegres". A
longa reunião de Jesus com os discípulos no cenáculo, na véspera da
morte do Senhor, só terminou com o cântico de um hino (Mt 26.30). Não
existe culto sem cânticos.

Repórter – O doutor acabou de mencionar "cânticos alegres".
Lutero – Você sabe qual é o meu cântico predileto? É o mais antigo
hino sacro alemão, conhecido desde o século 13. Chama-se Christ ist
erstanden (Cristo ressuscitou). Gosto dele porque, ao contrário dos
demais hinos pascais medievais, não fica descrevendo os tormentos de
Cristo, mas a centralidade de sua ressurreição. Em cima desse hino e
de outro, o Victimae paschali laudes immolent Christiani (Os cristãos
ofereçam hinos à vítima pascal), compus o Christ lag in Todesbanden
(Cristo estava preso nas amarras da morte), no qual consegui infundir
toda a alegria e júbilo que brotam da ressurreição. A primeira estrofe
diz: "Cristo estava preso nas amarras da morte, / Entregue por nosso
pecado. / Ele ressurgiu novamente / E nos trouxe a vida. /
Regozijemo-nos por isso, / Louvemos e demos graças a Deus / E cantemos
aleluia".

Repórter – Canta-se muito aqui em Wittenberg?
Lutero – Em nossos cultos aos domingos e nos dias de semana, nas
reuniões matinais e vespertinas, eu entremeio o cântico com as
leituras do Antigo e do Novo Testamento, com as orações, com a
confissão, com o sermão etc.

Repórter – Há alguma parte do culto a qual o doutor empresta maior
relevância?
Lutero – Na minha opinião, em todo o culto, o elemento mais importante
é a pregação e o ensino da Palavra de Deus.1 Para reforçar essa ênfase
bíblica, transformei em hino os dez mandamentos da lei de Deus.
Cantamo-lo pela primeira vez na Quaresma de 1525. O cântico tem 12
estrofes. Na sétima estrofe entoamos: "O matrimônio – escuta bem! /
Será santíssimo, e também / A vida casta deve ser, / Disciplinando o
viver". Na décima, enfatizamos: "Proibido estás de cobiçar / Do
próximo a mulher e o lar. / O bem que quer teu coração / Também farás
a teu irmão".

Repórter – A igreja canta em latim ou em alemão?
Lutero – Até então cantávamos só em latim. Hoje cantamos em latim e em
alemão. Os hinos mais antigos geralmente entoamos em latim. Por
exemplo: o Magnificat (o cântico de Maria), o Benedictus (o cântico de
Zacarias), o Te Deum laudamus (Senhor, louvamos-te), o Sanctus
(baseado no capítulo 6 de Isaías), o Agnus Dei (Cordeiro de Deus), o
Quicumque vult salvus esse (Quem quiser salvar-se...) etc. Tenho
traduzido alguns hinos latinos para o alemão. É o caso do De profundis
(Das profundezas), do Ut timearis (Que sejas temido), Media vita in
morte sumus (Em meio à vida, estamos envolvidos pela morte) etc. Não
abro mão totalmente dos hinos em latim por amor à juventude, pois
desejo que os jovens cresçam aprendendo o latim.

Repórter – Existem hinos em alemão em número suficiente?
Lutero – Essa é a nossa grande luta. O desafio é enorme. Não estou
encontrando muita gente capaz de produzir novas letras e novas
melodias. Precisamos evitar a rotina. É uma aberração cantar os mesmos
cânticos em todas as celebrações.² Os sapatos novos, quando ficam
velhos e começam a apertar, não mais usamos; jogamos fora e compramos
outros.3 É preciso que haja cantos em alemão suficientes para
diferentes ocasiões, como Natal, Páscoa, Pentecostes, São Miguel,
Purificação etc.

Repórter – O livro de Salmos insiste nisso: "Cantem ao Senhor um novo
cântico, pois Ele fez coisas maravilhosas" (Sl 98.1).
Lutero – Para que os não-cristãos se tornem cristãos precisamos fazer
muita coisa. A gente simples, a juventude deve ser treinada e educada
diariamente na Palavra de Deus, para se habituar com as Escrituras,
para saber manuseá-las, para ser versada e instruída nelas, para
defender sua fé e, com o tempo, ensinar os outros e contribuir para o
avanço do reino de Cristo. Por causa dessas pessoas é preciso ler,
cantar, pregar e compor hinos.4

Repórter – Fui informado de que o doutor escreveu 137 hinos.
Lutero – Não é verdade. O pessoal sempre exagera. Compus apenas 36
cânticos. Assim mesmo só dez são inteiramente originais. Os exagerados
tinham a intenção de me comparar com Davi, que deve ter escrito — quem
sabe — 137 dos 150 salmos. Quase todas as minhas composições foram
produzidas em 1524. A primeira foi em agosto de 1523, um mês depois do
trágico acontecimento que serviu de inspiração. Trata-se do Ein hübsch
Lied von den zwei Märtyrern Christi, zu Brüssel von den Sophisten zu
Löwen verbrandt (Um belo hino dos dois mártires de Cristo, queimados
em Bruxelas pelos sofistas de Lovaina). O hino tem dez estrofes e
conta a morte de dois monges agostinianos do Convento da Antuérpia que
abraçaram a Reforma. Eles foram lançados à fogueira na praça do
mercado de Bruxelas no dia 1º de julho de 1523. Chamavam-se Henrique
Voes e João von Eschen. Já na primeira estrofe entro diretamente no
assunto: "Um canto novo vou entoar, / Que Deus nos dê sua graça; / Dos
feitos dele vou cantar, / Que em sua glória o faça! / Bruxelas foi que
o presenciou: / Por meio de dois moços / O seu poder ali mostrou, /
Que com seus dons divinos / Dotou ricamente".

Repórter – Foi o doutor que escreveu o hino fúnebre Nun lasset uns den
Leib begraben (Sepultemos agora o corpo)?
Lutero – Esse hino leva o meu nome, embora não seja meu. O equívoco
precisa ser corrigido, não porque eu o rejeite, uma vez que me agrada
muito. O verdadeiro autor é João Weis.

Repórter – Alguém me disse que o doutor modificou a letra de um hino
de duzentos anos atrás, ao traduzi-lo para o alemão.
Lutero – Deve ser aquele ao qual dei o título de Gott der Vater wohn
uns bei (Deus, o Pai, seja conosco). De fato, onde estava Santa Maria
ou Virgem Maria, eu coloquei o nome de Deus. Estava escrito: "Santa
Maria, socorre-nos / Se tivermos que morrer. / Livra-nos de todos os
pecados / E não nos deixes perecer." Modifiquei para: "Deus e Pai,
sejas conosco / E não nos deixes perecer! / Livra-nos de todos os
pecados / E concede-nos uma morte bem-aventurada!"

Repórter – Também ouvi falar que o papa está mais irritado com seus
hinos do que com as 95 teses que o doutor afixou à porte da igreja do
Castelo em 1517.
Lutero – Deus permita que a nossa hinologia redunde em grande prejuízo
ao papa romano, que não faz senão causar choro, pesar e sofrimento em
todo mundo por meio de suas malditas, insuportáveis e execráveis leis.
Amém.5

Repórter – Aquela ilustração dos sapatos velhos que o doutor citou há
pouco, me deixou com a pulga atrás da orelha. O doutor jogou fora os
hinos tradicionais?
Lutero – Claro que não. Não abominei o canto medieval nem a música
latina. Como jogaria fora o meu mais querido hino de Natal, o Jesu
nate in Bethlehem (Ó Jesus, nascido em Belém), o adorável Komm,
Heiliger Geist, Herre Gott (Vem, Espírito Santo, Senhor Deus), o
famoso Agnus Dei (Cordeiro de Deus) e o já citado Christ ist erstanden
(Cristo ressuscitou)? Meu esforço é duplo: reter o que é bom e antigo
e valorizar o que é novo. Às vezes há muita coisa podre e fria na
música tradicional, e muita coisa carnal nas modernas canções de amor.
Afinal, não queremos que o espírito dos fiéis morra de tédio na
igreja.6 Precisamos de escolher o melhor e tomar cuidado com o excesso
tanto da repetição como da variedade e quantidade de cânticos.
Valorizo muito a música contemporânea. Sou fã do compositor Ludovico
Senfl, cantor da capela palatina do imperador Maximiniano e principal
mestre de canto polifônico alemão. Tenho dito que ele é um músico
ornatum et donatum a Deo meo, isto é, ornado e agraciado pelo meu Deus.

Repórter – Já existe um hinário a serviço da igreja?
Lutero – A princípio distribuíamos os hinos em folhas avulsas. Seu
uso, porém, cedo requereu a junção de todas as folhas. Daí surgiu o
Pequeno Hinário Espiritual, em 1524, com 32 hinos alemães e cinco
latinos. O hinário continha letra e música, para forçar o povo a
aprender música. Creio que se Davi ressuscitasse dos mortos, ficaria
admirado de quão longe chegaram as pessoas com a música.

Repórter – O seu notável Ein feste Burg ist unser Gott (Castelo forte
é o nosso Deus) está no hinário de 1524?
Lutero – Não. Aparece na edição de 1528. Escrevi esse hino, cujo
título em latim é Deus noster refugium et virtus, inspirado na
convicção do salmista de que "Deus é o nosso refúgio e a nossa
fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade" (Sl 46.1). Em seu
poema, o salmista declara: "Não temeremos ainda que a terra trema e os
montes afundem no coração do mar". E no meu cântico eu reafirmo:
"Ainda que este mundo, repleto de demônios, ameace destruir-nos, não
temeremos, pois Deus quer que a sua verdade triunfe por meio de nós".
A letra e a música desse hino têm tido uma boa aceitação.

Notas
1.Martinho Lutero — Obras Selecionadas. vol. 7. p. 182 e 176.
2.Idem. p. 302.
3.Idem. p. 205.
4.Idem. p. 160 e 171.
5.Idem. p. 178.
6.Idem. p. 482.

Bibliografia
HORTA, Luiz Paulo (ed.). Dicionário de Música. Rio de Janeiro:
Zahar
Editores, 1985.
LESSA, Vicente Themudo. Lutero. São Paulo:
Casa Editora Presbiteriana,
1960.
Martinho Lutero — Obras Selecionadas. v. 7. São Leopoldo/Porto Alegre:
Sinodal/Concórdia, 2000.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Análise do Livro de Romanos

Diferente de muitos blogs de pessoas intruídas de fato em teologia, o nosso é mais um "depósito" de trabalhos, reflexões, etc. O tempo é super corrido e passamos de tempos sem escrever algo aqui. Minha princesa até agora nem deu as caras, mas tá valendo . . .rs

Abaixo segue um "início" de estudo sobre o livro de Romanos, pedido pelo professor Isaque. Mandei pra ele ver se tava tudo certinho, mas eu não tinha entendido a idéia proposta por ele. Dessa vez era pra ler as notas e comentários de uma bíblia de estudo, no caso a minha é a "anotada", e comentar as opiniões do autor, comparando com as suas . . Quem sabe ter a moral de não concordar com Charles C. Ryrie, autor dessa minha versão, e colocar em xeque algum comentário dele.

Como não quero simplesmente jogar fora o que fiz, fica arquivado por aqui esse meu início de trabalho, quem sabe pra consulta futura, edificação de alguém ou pra eu mesmo comparar meus primeiros trabalhos, daqui uns anos.

Deus te abençoe.


_________________________________



por Samuel Moreno

Análise Comentada do Livro de Romanos

Esta análise está baseada na “Bíblia Anotada: edição expandida”, de Charles C. Ryrie; com leituras também na “Bíblia Sagrada: Nova Versão Internacional, da Sociedade Bíblica Internacional”.

I. Saudação e apresentação do tema, 1:1-17

a. Saudação, 1:1-7

Neste trecho, Paulo se apresenta como servo, declarando que se tornou um escravo voluntário de Jesus Cristo, fazendo a vontade do Mestre e não mais a sua própria. Cita a descendência de Davi, se referindo à profecia de que da raiz de Davi viria o Messias. Jesus era tanto homem, quanto Filho de Deus, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, evidenciando sua ressurreição como uma prova de divindade. Paulo diz que é por intermédio de Jesus Cristo, e em nome dEle, que fomos todos chamados para receber graça e o apostolado, para a obediência por fé, incluindo também os gentios. Ainda se refere aos cristãos em Roma como santos, expressão usada como separados.

b. O interesse de Paulo sobre os romanos, 1:8-15

Em todo o mundo era comentado sobre a fé que os romanos tinham e Paulo cita isso, afirmando sua vontade em ir visitá-los, compartilhar dos dons espirituais e se encorajarem mutuamente pela fé. Mesmo ansiando e orando para ir visitá-los, era impedido por diversos motivos, mas se via devedor em visitar não apenas os romanos, mas a sábios ou ignorantes, gregos ou bárbaros.


c. O tema central da carta aos romanos, 1:16-17

Paulo diz não se envergonhar do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. Essa salvação é completa, tanto no passado, se referindo de forma geral ao castigo do pecado; presente, sobre o poder do pecado em nossa vida diária; e futura, sobre a salvação definitiva do pecado no céu. Essa salvação é concedida a todo aquele que crê, ou seja, através da fé. É citado Habacuque 2:4, enfatizando que o único modo pelo qual o indivíduo pode ser justificado perante Deus é mediante a fé. Paulo cita os judeus em primeiro lugar por uma questão cronológica, pois a eles foi pregado o evangelho primeiro e, pela sua rejeição, depois aos gentios. O evangelho é a justiça de Deus, ou seja, a restauração de um relacionamento correto entre o homem e Deus, fruto do dom de Deus por meio de seu Filho.


II. A necessidade de justiça: pecado e condenação, 1:18 – 3:20

a. A condenação do gentio, 1:18-32

1. A causa da condenação: ignorância do homem, 1:18-23

As criações de Deus já demonstram os seus atributos invisíveis, poder e própria divindade, tornando assim os homens indesculpáveis perante Deus, não mais inocentes. Mas, por se acharem sábios, e na verdade serem loucos, renegaram tais verdades não glorificando o Criador, mas trocando a glória de Deus por glória a si mesmos e a outras imagens.

2. As conseqüências da condenação: abandono divino, 1:24-32

Por esse motivo, Deus os entregou à sua própria maldade, e passaram a receber em seu próprio corpo o castigo por sua ignorância. Deus os entregou a uma condição mental e moral deplorável, na qual a idolatria imperava, animais eram considerados deuses, a perversão sexual prevalecia, incluindo-se o homossexualismo, e o pecado em geral era desenfreado. Além de praticarem toda sorte de pecado, incentivavam e participavam do pecar de outras pessoas, ignorando a sentença de Deus para o pecado, que é a morte.

b. A condenação do moralista, 2:1-16

Mesmo não cometendo os pecados descritos no capítulo 1, todos são condenados pelo pecado. Obras não são sinal de salvação, mas apenas servem como sinal de transformação. O gentio, mesmo sem a Lei, pode viver de forma correta, mas ainda assim está sob o jugo do pecado. Sobre a Lei, é dito que haverá condenação aos que julgam ao outro pela Lei, mas não a vivem. Os judeus, por terem o privilégio da Lei, eram mais responsáveis em cumpri-la, antes mesmo que os gentios.

c. A condenação do judeu, 2:17 – 3:8

1. Ele não guardou a Lei de Deus, 2:17-29

Muitos judeus se vangloriavam de serem escolhidos, circuncidados e detentores do privilégio da Lei, mas não viviam a Lei. Traziam escândalo para o nome de Deus entre os gentios e, mesmo sendo judeus, eram tidos por pagãos. Não bastava apenas o título, era necessário cumprir a Lei, pois ao fracassarem eram culpáveis, ainda mais por conhecerem a verdade.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Afinal, quem são os TeoLógicos?

Se encontraram pelos caminhos, descobriram afinidades, paixões em comum. Depois vieram as diferenças e se amam até nelas.

Ele Samuel, alma avoada que praticamente acredita em Papai Noel e esquece seu próprio aniversário; ela Leila, cientista que sempre está de olho em sua própria sombra e calcula as possíveis respostas que dará numa conversa de 3 horas, até o fim. Opostos, né? Impossível conviver . . . Pfff . . . Que nada. Se amam como no primeiro instante.

Compartilham em gênero, número e grau com a idéia de "necessidade de um Evangelho criativo, genuíno, sem misticismo ou frases fora de contexto". Procuram o ângulo de visão privilegiado pela luz das Escrituras. Pra eles é necessário sim "matar a onça e mostrar o arco e flecha". (!?)

Amam Cristo e o Seu verdadeiro Evangelho. Evangélicos, mas não travados em uma simples religião. Riem das próprias gafes e mais ainda da gafe alheia. Seminaristas comissionados e disponíveis para o chamado de Cristo.

Usam esse blog como publicador de idéias, reflexões e trabalhos teológicos próprios e retransmissor de coisas bacanas de terceiros, colhidos na própria rede. Aproveite, pense, reflita, mude atitudes, se divirta, viva uma nova vida com Cristo.

terça-feira, 28 de agosto de 2007

1º Post . . . só pra demarcar território

Segue o primeiro post.

Amo a Deus, minha princesa Leila, família e amigos . .

A todos os que me sustentam e apoiam, minha gratidão, meu amor e minha vida!!!!